Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
topo.gif
capa

Revista Emblemas - Dossiê Gênero, Sexualidade e Direitos Humanos já se encontra disponível

É com grande prazer que os grupos Dialogus Estudos Interdisciplinares, Ser-Tão UFG e o Mestrado em Direitos Humanos comunicam o lançamento do Vol. 10, n. 2, de 2014 da Revista Emblemas, Dossiê Gênero, Sexualidade e Direitos Humanos.

Segundo @s organizador@s do número, o objetivo do Dossiê foi estimular a reflexão crítica a respeito de temáticas relacionadas à diversidade, diferença e direitos humanos, por meio de contribuições advindas de várias disciplinas e posicionamentos teórico-políticos. Compreendendo que diversidade e diferença abrigam um conjunto de marcadores sociais e interseccionalidades que, por sua vez, envolvem, pelo menos, questões de classe, raça/cor, etnia, gênero, sexualidade, pluralidade cultural e direitos fundamentais.

Um dos desafios contemporâneos para os estudos que se debruçam sobre as três temáticas propostas pelo dossiê é, justamente, interpretar e analisar dialogicamente os modos como desigualdades sociais são produzidas e reproduzidas a partir de processos de naturalização das diferenças, num cenário contemporâneo que oscila entre ambivalências globais e locais que apontam para mudanças e permanências, reproduções e resistências. De certo modo, é nesse contexto político-acadêmico que os trabalhos aqui trazidos se inserem.

Para além do exposto, a diversidade e a diferença são resultado de uma elaboração contínua e coletiva que abarca significados e sentidos que caracterizam a dimensão do vivido. Nesta perspectiva cultural e política das alteridades, são embaralhadas complexas causas, motivações, interesses e poderes responsáveis por modelar as relações sociais que dão o tom dos pertencimentos e filiações.

As identidades, neste ínterim, são produzidas e consolidadas contextualmente como instrumentos socioculturais que nada mais são que efeitos de discursos e performances possibilitadores da própria existência. Ao protagoniza-la, os sujeitos, convertidos em sujeitos de direito, colaboram para a observância e efetivação de direitos fundamentais que são capazes de desconstruir processos de desumanização do humano.

Fonte : Dialogus

Listar Todas Voltar